Seguros.inf.br

Mercado

Aon compra Willis por US$ 30 bilhões

mercado

10/03/2020

O Valor Econômico relata que a Aon vai comprar a Willis Towers Watson por US$ 30 bilhões, sob um acordo integralmente em ações e que vai combinar a segunda e a terceira maiores corretoras de seguros do mundo, criando uma nova líder. O negócio marca a fase final do longo processo de consolidação do mercado de corretagem de seguros e abre um desafio para a Marsh & McLennan, até agora a maior do setor em receita.

A fusão ocorre cerca de um ano depois de a Marsh & McLennan ter concluído a aquisição da Jardine Lloyd Thompson, sob um negócio de 4,3 bilhões de libras esterlinas (US$ 5,67 bilhões).

A Aon havia considerado fazer uma oferta pela Willis Towers Watson em 2019, mas desistiu da ideia em março do ano passado. No entanto, havia especulações cada vez maiores de que a companhia poderia voltar a cogitar a compra. Os acionistas da Willis Towers Watson vão receber 1,09 ação da Aon em troca de cada ação que possuírem, o que confere um valor de US$ 30 bilhões à empresa, 16% a mais do que o indicado pelo preço de fechamento das ações na sexta-feira.

As ações da Willis Towers Watson foram bastante impactadas pela recente instabilidade do mercado, tendo caído 10% desde que atingiram o recorde de US$ 220 em fevereiro. “[O negócio] nos torna uma empresa mais capaz de atender as necessidades dos clientes [...]”, disse o diretor-presidente da Aon, Greg Case. Ele destacou a área de ataques cibernéticos e a crescente necessidade de proteção da propriedade intelectual como dois segmentos nos quais a combinação das companhias vai torná-las mais fortes do que se estivessem separadas.

“Temos capacidades distintas”, afirmou, acrescentando que a fusão vai permitir que as empresas sejam mais inovadoras e melhorem sua capacidade de análise de dados. A Aon prevê sinergias de US$ 800 milhões com a combinação dos grupos, cujas sedes estão apenas a alguns metros de distância na região central de Londres. “A redução de custos não é o objetivo [...] não é o foco”, acrescentou Case. “Cerca de 75% das sinergias virão da “consolidação dos negócios e das funções de suporte central”. O restante virá da economia na área de tecnologia e com propriedades.

A Aon destacou que a transação terá impacto positivo no lucro ajustado por ação já no primeiro ano depois da aquisição. A empresa combinada será a maior corretora mundial de seguros comerciais, segundo dados do Instituto de Informações sobre Seguros (III, na sigla em inglês), com receita de US$ 19 bilhões, com base nos números de 2018. Isso a coloca logo acima da Marsh & McLennan, cuja receita soma pouco menos de US$ 17 bilhões. A terceira maior, a Arthur J. Gallagher, vai ficar um pouco mais distante, com faturamento de US$ 5 bilhões.

Fonte: Valor Econômico




<< Voltar

Ver todas

Seguros.inf.br © 2011 - 2020 - Sacla Comunicação Ltda - Todos os direitos reservados.